Queremos a sua opinião! Deixe o seu comentário.

Segundo semestre começa com crescimento

15/9/2017

Comércio e serviços podem auxiliar na retomada do crescimento da economia em 2017 IANA SOARES

 

A economia brasileira manteve-se em trajetória de crescimento no início do segundo semestre, conforme dados divulgados sontem pelo Banco Central. O Índice de Atividade (IBC-Br) medido pela instituição avançou 0,41% em julho e atingiu o maior nível desde dezembro de 2015.

Conhecido como uma “prévia do PIB”, o IBC-Br serve como parâmetro para avaliação do ritmo da economia brasileira. O indicador subiu de 135,06 para 135,62 pontos de junho para julho, no segundo avanço mensal consecutivo. Em 2017 até julho, a atividade cresceu 0,14%, na série sem ajustes sazonais. Oficialmente, o Governo trabalha com estimativa de crescimento de 0,5% do PIB em 2017.

Nas últimas semanas, porém, o mercado tem demonstrado maior otimismo com a atividade. No Relatório de Mercado Focus, que traz uma compilação das projeções das instituições financeiras, a expectativa média de alta do PIB este ano está em 0,60%. Mas há estimativas de avanço de 0,93%. Apesar da retomada recente, a atividade econômica no Brasil está longe dos melhores momentos, registrados antes do início da recessão de 2015 e 2016. No pico da série histórica, o IBC-Br chegou a marcar 148,75 pontos em dezembro de 2013 - ainda no primeiro Governo de Dilma Rousseff.

 

Cautela

O crescimento está em observação, segundo o economista Lauro Chaves, presidente do Conselho Regional de Economia do Ceará (Corecon-CE). “O resultado é mais um sinal de que estamos em processo de recuperação. O Brasil ficou na UTI por dois, três anos e que apresentou melhora em dois trimestres com o PIB”, explica.

Para ele, sem os investimentos públicos e privados, os resultados serão inexpressivos. “Temos melhoras na inflação, no índice de atividade econômica e também no comércio. Sem a retomada dos investimentos, não conseguiremos reduzir o desemprego que atinge 13 milhões de pessoas”, reforça.

O economista aponta que consumo é uma estratégia sem projeção de alcançar bons resultados no futuro. “Sem a melhora dos indicadores, inclusive o do desemprego, o crescimento vai se basear no consumo. E ele não garante sustentabilidade”. Cita a melhora temporária ocasionada pela redução da inflação, dos juros e da liberação do FGTS das contas inativas – fatores que proporcionaram um cenário favorável ao consumo.

Para o economista Ricardo Coimbra, mestre em Economia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), o processo ainda é lento e gradativo. “Os setores de comércio e serviços podem efetivar as previsões de crescimento. É esperado que o PIB cresça 0,5% ou um pouco acima disso”, afirma.

No entanto, a ambiência política pode ser comprometida por causa da possível relação entre o presidente Michel Temer a empresa JBS. Ontem o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) denúncias contra Temer pelos crimes de obstrução de justiça e organização criminosa. O economista explica que a oscilação no campo político também é levada em consideração pelo mercado. “O momento ainda é de cautela, seja pelo acompanhamentos dos agentes econômicos, seja pela observação do setor produtivo”, finaliza.

Please reload

Posts Em Destaque

Vemos com muita tristeza os efeitos da interrupção das atividades do varejo nas regiões com bandeira vermelha. É importante que a sociedade entenda o...

A bandeira vermelha e o impacto no varejo gaúcho

24/6/2020

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo