Queremos a sua opinião! Deixe o seu comentário.

5 tecnologias para o varejo para aumentar as vendas e a experiência dos clientes

1/11/2017

A tecnologia é uma ferramenta útil e muito menos complicada do que se imagina. Foto: Creative Commons

Os varejistas já se preparam para a melhor época do ano para as vendas. As festas de final do ano representam um aumento expressivo no volume de vendas e, principalmente de clientes. Para organizar o fluxo de pessoas, organização da loja, público alvo e, principalmente, resolver a principal reclamação dos compradores (as filas), a tecnologia é uma ferramenta útil e muito menos complicada do que se imagina.

Sem apelar para a ficção científica, a Axis Communications separou algumas tecnologias que já podem ser utilizados para aumentar as vendas e a experiência dos clientes no natal e em todas as outras épocas do ano.

1 - Inteligência de merchandising

Quando um apresentador de TV fica de olho na audiência ao vivo e nas menções no Twitter, é para conduzir as atrações de forma a reter o público e aumentar o engajamento. Do mesmo modo, qualquer lojista consegue hoje acompanhar em tempo real quantas pessoas entraram na loja ao longo do dia e que áreas mais atraíram o interesse ou causaram problemas. Prestando atenção ao que funciona, o gerente pode alterar layouts e ajustar campanhas ao longo da semana. As ferramentas usadas para entender esse cliente são duas: Contagem de pessoas e Mapas de calor. A contagem, feita na entrada da loja, permite ver os picos de visitação e remanejar funcionários para um melhor atendimento. Já os Mapas de calor mostram onde se concentraram mais pessoas, e ajudam a descobrir o que realmente funciona nas gôndolas e mostruários. Assim, o posicionamento de produtos e displays fica justificado em dados, e isso traz um alto valor agregado para qualquer plano de merchandising em pontos-de-venda.

Para os mais antenados, a contagem de pessoas e os mapas de calor podem embasar até mesmo a cobrança de espaços privilegiados para as grandes marcas no caso de supermercados, ou justificar o preço da locação de espaços no caso de shoppings.

2 - Perfil demográfico do cliente

Quem olha uma vitrine também pode estar sendo visto. Basta que um manequim tenha uma câmera-miniatura no lugar do olho, por exemplo, para ele saber, em questão de milissegundos, se a maioria na vitrine é homem ou mulher, e estimar a idade aproximada de cada cliente. Dentro da loja, as telas de Digital Signage, ou sinalização digital, podem exibir mensagens publicitárias de acordo com esses dados. Dessa forma, caso a loja esteja sendo mais frequentada naquele momento por crianças, poderão ser exibidas mais propagandas para o público infantil. A impressão é de que a loja foi feita para cada cliente. Essa análise demográfica também permite saber se, nas semanas anteriores a datas comemorativas, há mudança no perfil do público, o que orientaria ações de Marketing em favor de uma experiência ainda melhor para os clientes. O mesmo vale para medir a efetividade de campanhas criadas para atingir um público específico (se um shopping investe em ações para incrementar a visitação de mulheres entre 30 e 50 anos, por exemplo, é importante saber se teve sucesso). Afinal, a presença do cliente naquele espaço e seu perfil são dicas valiosas.

3 - Cruzamento com PoS

Mas será que o público que circula pela loja é o mesmo que efetivamente compra? No futuro, a chamada Taxa de Conversão será medida, cada vez mais, por câmeras com o analítico People Counter. E dentre os que compram, seria possível associar o ticket médio e categorias de produto com diferentes perfis de clientes, segundo o gênero e a idade? Sim, usando câmeras com o analítico Demographics. E para ir além, daria para identificar qual cliente voltou à loja, mesmo que sua primeira compra tenha sido numa unidade localizada em outro estado ou país? Sim também. Usando câmeras com reconhecimento facial, torna-se possível abrir mão dos cartões-fidelidade e ter uma compreensão profunda sobre quem está na loja e qual seu padrão de compra. As possibilidades a partir disso são infinitas.

4 - Gestão de filas

A pior parte da experiência numa loja é enfrentar uma longa fila para concluir a compra. É quando alguns clientes acabam desistindo de certos itens mais caros ou supérfluos. Ou pior: se a proposta era uma passada rápida no almoço de olho no relógio, alguns nem encaram a espera. Mas uma tendência forte é o próprio varejista determinar o número máximo de pessoas na fila. Isso mesmo: quem vai determinar o tamanho da fila não é o cliente. A tecnologia é bem interessante. Assim que a câmera percebe a chegada de uma pessoa além do estipulado, ela envia um comando para que um novo caixa seja aberto, e ainda envia, na mesma hora, uma mensagem ao celular do gerente. Esse limite de clientes na fila pode variar ao longo do dia ou diferir aos feriados e finais de semana. Para completar, uma mensagem de som pode ser emitida de forma automática para tranquilizar os clientes em relação à espera: o problema já está sendo resolvido. O que nos leva à próxima tecnologia: sistemas de som inteligentes.

5 - Sistemas de som inteligentes

É ótimo estar na fila para pagar e ouvir, pelos alto-falantes IP embutidos no teto, que existem caixas sem filas no piso superior. Também é difícil resistir ao impulso das ofertas-relâmpago anunciadas pelo sistema de som no fim de semana. Esses anúncios, que podem ser pré-gravados ou ao vivo usando um microfone IP, causam um impacto evidente. Outros efeitos passam mais despercebidos: quando a loja toca uma música tranquila, o cliente tende a prolongar sua permanência. Todas essas são estratégias conhecidas dos lojistas para melhorar a satisfação do cliente e aumentar as vendas, e não param de surgir novidades tecnológicas. No futuro, o áudio de um supermercado, shopping ou de uma loja-âncora poderá estar conectado em rede aos demais dispositivos inteligentes. Depois de reconhecer a chegada de um cliente VIP pelas câmeras com reconhecimento facial, o sistema de som poderá convidá-lo para uma experiência exclusiva com determinada marca numa sala reservada, por exemplo. Isso soa ótimo, não é?

Please reload

Posts Em Destaque

Vemos com muita tristeza os efeitos da interrupção das atividades do varejo nas regiões com bandeira vermelha. É importante que a sociedade entenda o...

A bandeira vermelha e o impacto no varejo gaúcho

24/6/2020

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo